Região

Criação da 6ª Região

A implantação dos Conselhos Regionais estabeleceu-se em 1983, onde definiu-se que Minas Gerais e Espírito Santo compreenderiam a 1ª região, com sede no Rio de Janeiro e Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, compreenderiam a 2ª região com sede em São Paulo.

Com a resolução datada de 1996, uma junta dirigiu o regional e organizou eleições para o 1º Colegiado da 6ª região, permanecendo no cargo por um ano. Em janeiro de 1998 o primeiro colegiado tomou posse, dando início a um ciclo de ampliação profissional, fiscalização e divulgação da Fonoaudiologia. Inicialmente a região era composta por Minas Gerais, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás, com sede em Belo Horizonte. Nesta época os 5 Estados juntos possuíam cerca de 1000 profissionais inscritos.

No ano de 2000 viu-se a necessidade da separação da 5ª região do Conselho Federal, pois sua sede funcionava nas instalações do CFFa. Visto isto, Goiás separou-se da 6ª região passando a ingressar a 5ª, bem como sediá-la na cidade de Goiânia.

Os colegiados

1º Colegiado (1998-2001)

2º Colegiado (2001-2004)

3º Colegiado (2004-2007)

4º Colegiado (2007-2010)

5º Colegiado (2010-2013) - Clique aqui para baixar o relatório de gestão do 5º colegiado

6º Colegiado (2013-2016) - Clique aqui para baixar o relatório de gestão do 6º colegiado

História da Fonoaudiologia na 6ª Região

O exercício da Fonoaudiologia na 6ª região se dá a partir dos anos 70, onde profissionais, que oriundos da área da educação, buscavam formas de solucionar os problemas de aprendizagem de seus alunos. Os primeiros profissionais que aqui atuavam, originalmente vieram da Logopedia, ou da busca pela melhoria no ensino a alunos que, com dificuldades não compreendidas na época, eram por vezes castigados com inúmeras repetências.

Em 1981 veio o tão sonhado reconhecimento através da Lei nº 6.965/81, que dispõe sobre a regulamentação da profissão de Fonoaudiólogo, bem como da implantação dos Conselhos Federal e Regionais de Fonoaudiologia. A AFOMIG (Associação dos Fonoaudiólogos de Minas Gerais), que trabalhou ativamente no processo de regulamentação profissional, passou a lutar por outras causas profissionais, tais como a divulgação da profissão bem como sua importância e também por remuneração adequada para a classe e mais tarde pela implantação da 6ª Região.

Gestão 2016/2019

O 7º colegiado do Crefono 6 iniciou seus trabalhos no dia 1º de abril de 2016. Comissões e diretoria podem ser vistos nas seções específicas dos temas. 



Visão

O Conselho Regional de Fonoaudiologia 6º Região ser referencia como entidade orientadora e fiscalizadora da profissão do Fonoaudiólogo, promovendo o reconhecimento e a valorização dos profissionais perante a sociedade.

Missão

Orientar e fiscalizar o exercício da profissão do Fonoaudiólogo, assegurando que os serviços prestados a sociedade sejam realizados por profissionais e empresas legalizados, regulamentadas pelo CFFa, respeitando os preceitos éticos, no âmbito dos Estados de Minas Gerais e Espírito Santo.

 

Valores 

o Compromisso

o Responsabilidade Social

o Ética

o Transparência e

o Respeito

 

Política de Qualidade

Orientar e contribuir para o desenvolvimento dos Profissionais Fonoaudiólogos, garantir a qualidade dos serviços do registro e da fiscalização do profissional, buscar a melhoria contínua dos processos de gestão como forma de crescimento e do desenvolvimento de seus colaboradores.

Objetivos da Qualidade

o Fortalecer a imagem do CREFONO perante a sociedade e a classe,

assegurando a atuação plena dos profissionais da fonoaudiologia.

o Buscar a melhoria contínua das ações voltadas para o atendimento aos

requisitos legais e regulamentares, garantindo o atendimento as

necessidades e as expectativas dos clientes.

o Aprimorar o conhecimento técnico e habilidades de colaboradores.

o Assegurar o equilíbrio do fluxo de caixa como forma de sustentabilidade.